.

Aqui você encontrará algumas dicas importantes sobre o dia-a-dia do seu cão, que lhe servirão para auxiliar na solução de problemas até certo ponto simples, mas que por falta de orientação muitos fracassam na criação.

...

Menu Anterior

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

...

   MONTANDO UM CANIL   

Se você é apaixonado por Fila Brasileiro e tem vontade de iniciar uma boa criação, veja o que é necessário para ser bem sucedido.
O amor, a paciência, o carinho e a amizade, são fundamentais para quem deseja criar o Fila Brasileiro. Mas só o sentimento e a boa vontade, não bastam, é preciso, antes de tudo, algum espaço, tempo, muito conhecimento, uma grande vontade de aperfeiçoar a raça e uma constante dedicação.
Primeiro, procure muito bem a raça. O temperamento, os cuidados e os gastos para quem deseja iniciar uma criação de forma gradativa, o capital inicial a ser investido é o custo de uma boa fêmea e os gastos com a sua manutenção. É importante conhecer um pouco de genética, para conseguir bons resultados nos acasalamentos e para isso é preciso pesquisar, ler muito, além do contato com criadores idôneos, veterinários e clubes especializados na raça.

Topo

...

   CANIL – INSTALAÇÃO   

As acomodações para os cães num canil é muito importante. Elas deverão ser divididas em boxes, construídos em alvenaria – tanto o chão quanto as paredes – os boxes deverão ser individuais e sempre construídos de frente para o nascer do sol.
A área desses boxes deverá ser no mínimo de  2x6, sendo 1x2 área coberta para proteger o cão da chuva, do sol, do vento; e 2x5 deverá ser descoberto, onde o cão poderá tomar sol. 
Maiores informações, entre em contato com a Sociedade Paulista do Fila Brasileiro e boa sorte..

Topo

...

   MANEJO   

Confinamento : não aconselhamos o confinamento do Fila. A sua origem já diz tudo : cão boiadeiro, cão de fazenda. Mas é um cão que adaptou-se bem na função de guarda, pela sua fidelidade ao dono, à família, às crianças e principalmente pela aversão a estranhos. É um cão que revela segurança e confiança, um inexidível guarda de propriedade, mas necessita de alguns cuidados.

1 – Você pode ajudar o Fila a ser mais saudável e eficiente quando confinado. Dentro de um espaço de 2x6 no mínimo, o Fila vive bem, cresce forte e saudável.
2 – Exercícios : aconselhamos levá-lo a passear, exercitando-o diariamente. Os exercícios mais adequados, são os naturais como : andar, trotar, correr, enfim, caminhar, além de melhorar seu condicionamento físico, o cão se torna mais saudável, alegre, e eficiente na função de guarda. Um cão que não se exercita, torna-se apático, preguiçoso e com possibilidade de viver pouco.
3 – Nunca deixá-lo preso na corrente, porque torna-se neurótico, revoltado, um animal imprevisível, perigoso. Mantenha-o sempre solto e você terá orgulho de Ter um Fila Brasileiro.

Topo

...

   INSETOS E PARASITAS   

Os insetos e parasitas, moscas, mosquitos, varejeiras, pulgas, carrapatos, bernes, sarna, vermes, são causadores de várias doenças, portanto, devem ser sempre combatidos.
Primeira providência : Construir sempre o canil de frente para o sol (do lado em que o sol nasce).
Segunda  : Manter o canil sempre seco, evitando umidade.
Terceira : Não deixar água parada nas imediações do canil.
Quarta : Pulverizar sempre os canil com produto repelente : Triatox, Butox, e com repelente contra moscas e mosquitos, como Óleo de Eucalipto Natural. Mas antes disso, consultar o veterinário para que ele possa orientá-lo como executar a pulverização.
Quinto : A proliferação de insetos e parasitas, bem como doenças que possam causar  no cão, está intimamente ligado à manutenção de higiene e limpeza dos animais e canis. A higiene é essencial para ter um plantel com excelente condição de saúde.

BERNE : depositário da mosca varejeira, nos ferimentos alimenta-se dos tecidos onde estão alojadas, causando infecções e abscessos.

CARRAPATO : transmite a babesiose e eliquisiose, doença que provoca inapetência, hemorragia, febre, que, se não tratada, causa convulsão e debilitação orgânica.

PULGA :  transmite vermes, causa anemia. (principalmente nos filhotes).

SARNA : são três variedades :

a) Demodécica : transmitida da mãe para os filhotes, mesmo se tratada, fica incubada e pode reaparecer periodicamente. Sintomas : erupções na pele, queda de pelo e coceira.

b) Sarcótica : além das erupções na pele, queda de pelo, coceira, provoca mau cheiro e queda de resistência.

c) Otodécica : localiza-se no canal auditivo, causando secreção preta e pode deixar o anima surdo, se não tratada a tempo.

VERMES : provocam anemias, baixam a resistência, prejudicam o crescimento dos filhotes, quando alojado no sistema nervoso central, causando convulsões, os sintomas são : vômitos após as refeições, diarréia, barriga dilatada e emagrecimento.

Prevenção : exame de fezes é o meio mais eficiente de se detectar estes parasitas.

Topo

...

   VACINAS  

60 Dias  .............................................. 1a  dose da octupla (contra cinomose, coronavirose, hepatite, leptospirose, parainfluenza e parvovirose)
90 Dias ----------------------------------- 2a dose da octupla
120 Dias ----------------------------------3a dose da octupla
150 Dias --------------------------------- 4a dose da octupla e antirábica

Anualmente revacinar com a octupla e antirábica.

Em regiões com grande incidência de ratos, a vacina contra leptospirose deve ser repetida a cada 6 (seis) meses. A vacina é o único meio de manter imune contra as doenças infecto contagiosas.

Procedimento importante : após ter adquirido um cão, leve-o ao veterinário, para uma avaliação geral.

Alimentação : cães com deficiência alimentar, possuem baixa resistência orgânica e ficam expostos à doenças.

É aconselhável alimentar seus cães com produtos industrializados de boa qualidade, os que contém vitaminas e sais minerais, proteínas, cálcio, carbo hidratos,  fósforo, necessário para uma boa alimentação do Fila. Evite alimentos caseiros que  quase sempre são mal balanceados.

Topo

...

   ALIMENTAÇÃO  

ADULTOS : Os cães adultos em manutenção, deverão receber uma refeição em torno de 21% de proteína, duas vezes ao dia, com intervalo mínimo de 8 hs. Esta precaução evita torção gástrica. Evite exercícios após as refeições.

CADELAS GESTANTES : Deverão receber alimentação em torno de 25% de proteína, 3 vezes ao dias, com intervalos de 6 hs.

FILHOTES : As refeições dos filhotes deverão Ter em torno de 25 a 30% de proteína.

                      Do desmame aos 2 meses ......5 refeições diárias

                      Dos 2 aos 4 meses ..................4              diárias

                      Dos 4 aos 6 meses ................. 3              diárias

                      Dos 6 meses em diante .......... 2              diárias.

BANHO : deve ser dado no verão, uma vez por mês e no inverno a cada dois meses, com sabão neutro.

Escová-lo duas vezes por semana.

Topo

...

    EXERCÍCIOS   

São importantes para desenvolver e tonificar a musculatura, manter a circulação sangüínea, aumentar a capacidade cardio-respiratória. Os Filas que vivem em local com pouco espaço, devem passear diariamente, no período da manhã até as 10 hs. e  no período da tarde, após 16 hs . Evite o período mais quente do dia. Ao primeiro sinal de cansaço, interrompa os exercícios, para evitar problemas. Caminhadas ou trotes moderados é um excelente exercício natural.

Topo

...

    CHECK UP CASEIRO   

Se você detectar qualquer um dos sinais abaixo mencionados, procure imediatamente o veterinário, pois são sinais que indicam certos males ainda em estágio inicial, facilite o tratamento e a cura. Examine-o com atenção, verificando :

1 – PELE : Nódulos podem estar relacionados a tumor. Bolinhas vermelhas, apontam a presença de sarna ou alergias, feridas salientes, podem indicar berne. Glândulas salientes na garganta, atrás das coxas e dos ombros, indicam possível infecção.

2 – BOCA : Mau hálito, pode ser sinal de tártaro ou infecção na garganta.

3 – GENGIVA : Se estiver pálida, pode sinalizar anemia ou alteração no sistema circulatório. Muito vermelha indica inflamação.

4 – OLHOS : Secreções purulenta, indicam várias doenças, verminose. Se o interior das pálpebras estiverem brancas, pode indicar anemia.

5 – OUVIDOS : Excesso de cera, odor forte, indica provável otite, secreção preta, sinal de sarna no canal auditivo.

6 – NARINA : Corrimento, indica doença respiratória.

7 – REGIÃO ANAL : Glândula ad anal deve ser esvaziada pelo veterinário, caso contrário, corre o risco de infecção.

8 – PELAGEM : Perda de pelo, coceira, sinaliza dermatite ou presença de parasitas.

Todos estes sintomas acima referenciados, podem estar relacionados a algum problema que necessitam cuidados profissionais de um veterinário.

Topo

...

    SINTOMAS QUE CAUSAM PREOCUPAÇÃO  

Quando sue Fila apresentar algum dos seguintes sintomas, que indicam enfermidade, leve-o imediatamente ao veterinário.

1 – COMPORTAMENTO : agressivo, indício de dor ou mal estar, raiva. Apatia, pode ser alguma enfermidade.

2 – FEBRE : acompanhada de outros sintomas, quase sempre é sinal de doença, principalmente nos filhotes.

3 – TREMOR : Associado  à febre, indica doença infecciosa ou inflamações.

4 – FEZES : esbranquiçadas com sangue, fezes líquidas (diarréia), indicam provável enfermidade.

5 – VÔMITO : indica presença de vermes ou doença virótica.

6 – EMAGRECIMENTO : Quando o cão se alimenta bem e não adquire peso, pode estar com alguma infecção ou principalmente vermes.

7 – ANOREXIA : por mais de dos dias, pode indicar doença. Indisposição também  diminui o apetite.

Topo

...

   SINTOMAS SÉRIOS QUE EXIGEM PROVIDÊNCIAS URGENTES  

Leve seu cão imediatamente ao veterinário

CONVULSÕES : Indicam : viroses, verminoses, epilepsia, envenenamento e podem levar ao óbito.

DESMAIOS : Pode ser envenenamento, problema respiratório ou cardiovascular.

HEMORRAGIA : Sangue nas fezes, sinal de virose, verminose, babesiose, ingestão de raticida.

DIARRÉIA : Pode ser virose, infecção intestinal, verminose ou envenenamento. O cão desidrata rapidamente.

SALIVAÇÃO E OU ÂNSIA DE VÔMITO : Sinal de intoxicação, mal estar, reação alérgica ou envenenamento.

Topo

...

   DISPLASIA COXOFEMURAL   

Descrição : Desgaste mutuo da articulação do fêmur e da bacia , sendo uma doença hereditária.
Sintomas : manca com as patas traseiras propiciando intolerância a exercícios.
Conseqüências : Forte dor local , em casos mais graves o cão não permanece de pé.
Prevenção :  fazer exame prévio , através de raio X dos pais antes da compra . Em caso positivo de displasia coxofemural , aconselha-se o não cruzamento , pois tal mal, será transmitido aos filhotes também.

A displasia coxofemural no Brasil , foge um pouco da realidade no que condiz , sobre a sua erradicação desse mal em nosso país. No Brasil somente há o incentivo moral , a ( CBKC ) toma uma posição de estimulo aos criadores a fazerem os devidos controles radiológicos , para  se constatar  ,  em que grau de gravidade se apresenta .Um cão displasico é visto como sendo portador de deficiência óssea , apresentando um quadro clinico de dor , com dificuldades de movimento.

A displasia é uma anomalia muito difícil de se poder controlar , pelo motivo de  ser uma doença com herança multifatorial. Um dos problemas que podem ocasionar a displasia , é através da consangüinidade e pela sua hereditariedade  , sendo que até o presente momento não foi constatado , que nenhuma causa ambiental possa de alguma forma contribuir para o surgimento de tal anomalia. Em algumas raças de porte grande ,esse mal é responsável também pela osteoartrite ou doença degenerativa da articulação. Essa doença aparece geralmente em cães de porte grande , e pesados , mas isso não significa que cães de porte pequenos e médios não possam sofrer da mesma enfermidade.

Uma das maneiras de se eliminar a displasia coxofemural pode ser feita através do estudo da genética , estudo esses que já estão sendo realizados em alguns países da Europa , sendo patrocinada por intermédio de; kennel , fundações . Nos países europeus não há um padrão de proceder em relação do exame à displasia coxofemural , a maioria dos países segue os conceitos da; (FCI ) Federação Cinológica Internacional , por essa federação , a grau de displasia nos cães é considerada da seguinte forma:

A (HD - ) ISENTO;

B (HD-/+ ) PRÓXIMO DO NORMAL

C (HD+  ) DISPLASIA LEVE

D (HD++) DISPLASIA MODERADA

E ( HD+++) DISPLASIA SEVERA

OBS:    no Brasil usa-se esse padrão  (FCI ), para se detectar a displasia coxofemural. Porém há estudos em nosso país para se criar um método próprio para se detectar a  forma mais adequada dessa enfermidade. Só para se tirar uma idéia , iremos constar neste tópico , instituições de alguns países que fazem e possuem controle de displasia , diferenciando entre si ,apenas os métodos aplicados:

      OFA ( Ortopedic Foundation for Animals )
País de origem: Estados Unidos
Recomendação para os exames : anestesiar antes o animal , e tirar chapas radiográficas , numa média mínima de 6 vezes , para que se possa constatar realmente qual é o grau especifico da anomalia.
Revisionamento de exames:  o exame geralmente , como  forma de regra dessa entidade , é revisionado por mais de 2 ( dois ) veterinários.

 AVA  ( Associação de Veterinários Australianos )

País de origem : Austrália.
Recomendação para os exames: anestesiar antes o animal , e tirar sua radiografia .
Revisionamento de exames: avaliação feita por um veterinário , que passa ao proprietário do animal o diagnóstico certo , essa associação apresenta o grau de porcentagem da anomalia , através de um fator de pontuação , determinando uma média para cada raça.

FCI ( Federação Cinológica Internacional )
País de origem: Países da Europa
Recomendação para os exames: anestesiar o animal , e radiografa-lo.
Revisionamento de exames : feito por um veterinário , que classificará a displasia coxofemural através de várias categorias , já supra citadas.

Classificação geral da displasia : leve , moderada , e grave.

- Displasia coxofemural leve : o animal apresenta o mal , mas em seu dia a dia , a anomalia não o chega a prejudica-lo em nada.
- Displasia coxofemural moderada : essa já começa a perturbar , o nosso fiel e grande amigo ( cão ) . Proporciona dores ,irritabilidade , e má locomoção. Esse grau de displasia poderá ser amenizado através de
exercícios específicos ou em último caso cirurgia.
- Displasia coxofemural grave : Esse tipo de displasia , é muito difícil de se fazer  qualquer tipo de tratamento , geralmente pode ocasionar  até mesmo a imobilidade do animal , pelo motivo  elevado  que se apresenta a enfermidade . Em casos  extremos geralmente tem que se sacrificar o animal.

Um outro meio , de salvar nossos cães desse terrível mal , é a importação de genes de países que possuem o habito de efetuar o controle genético de forma mais severa.

Topo